quinta-feira, 28 de julho de 2011

FILOSOFIA DE FUTEBOL

O INTER teve muita dificuldade de conter o toque de bola do barcelona




Escrevo esse texto logo após o nosso jogo contra o Barcelona onde tivemos a oportunidade de ver um futebol produtivo e de toques objetivos do nosso adversário, mesmo com jogadores reservas eles tiveram 70% de posse de bola no 1º tempo. (Veja AQUI e AQUI o que disse Tinga)


Há muitos anos acompanho o Inter e observo que os profissionais e dirigentes falam que esta filosofia de futebol é praticada desde as categorias de base.

Mas seria isto, verdade ?

Seria possível esta prática se o nosso clube troca treinadores com tanta freqüência?
Sou sempre indagado por torcedores e amigos que me perguntam quais as funções dos diversos profissionais que compõe a comissão técnica.

Sabemos que os médicos, preparadores físicos, fisioterapeutas tem suas funções claras e bem definidas. Mas o treinador só vem para escalar e definir uma tática a cada jogo ? E o treinador de goleiros, só treina os profissionais ? E os outros auxiliares do técnico o que fazem?

Entre suas funções não seria de treinar fundamentos? E em todos os jogos o que vemos é o Nei cruzar torto e o Ginazu não saber chutar, entre outros exemplos. Não se trata de crucificar este ou aquele atleta, meu ponto é como pode um time profissional erras coisas tão fundamentais como cobranças de escanteio, cruzamentos ou chutes a gol.

Observamos as categorias de base conquistando títulos a toda hora, mas quando necessitamos laterais, direito e esquerdo, temos que contratar a peso de ouro, jogadores que nem sempre dão a resposta esperada.

Muitas vezes temos o jogador e o técnico dos profissionais não utiliza, não sei se por não conhecer ou porque o atleta que foi contratado com parceria de empresário, mas é fato que não temos utilizados nossas categorias de base para fornecer laterais ou volantes ao time.

Outro exemplo é o Muriel, estava esperando oportunidade por pelo menos 2 anos e nossos técnicos insistindo com Lauro e Renan que vinham falhando constantemente.

O movimento MAIS INTER, em sua “Carta Aberta aos Associados do Inter” recentemente enviada, já manifestou seu descontentamento com o descontrole administrativo verificado no Clube, evidenciando a falta de convicção e de unidade dos dirigentes, visível em todas as áreas e agora também no futebol profissional.

Neste confronto com o Barcelona, pudemos ter mais uma comprovação desta afirmação e ainda lamentamos que os dirigentes ficaram felizes com o resultado no jogo e só insatisfeitos com os pênaltis. Nem se preocuparam com o passeio que nosso time levou no 1º tempo. Só lembraram do poder de reação depois de estar perdendo duas vezes.

Esperamos que a direção encontre um rumo onde possa instituir uma filosofia de futebol, que o time jogue da mesma forma competitiva desde as categoria de base até os profissionais, que possa nos dar condições de ter algo parecido com estes grandes clubes do futebol mundial. Ainda bem que um clube grande com o INTER tem oportunidade de aprender com os maiores do mundo, bem diferente da situação de clubes menores de nossa cidade.

Para encerrar, lembramos que também no futebol a palavra “PLANEJAMENTO” é chave para o sucesso. Não devemos contratar novo técnico para “apagar incêndio” e sim para ser o profissional que deva liderar um projeto desta natureza.

LUIZ FERNANDO KÜHN
Conselheiro do INTER
Integrante MAIS INTER

Um comentário:

  1. luiz antonio zilles28 de julho de 2011 15:44

    É a COMPACTAÇÃO que o Falcão queria para o Inter, vimos no Barcelona, que vem treinando isso a anos. Luigi e Cia queriam que Falcão conseguisse isso em 3 meses. Isso é não ter visão de futuro, muito menos planejamento.

    ResponderExcluir